Cerâmica Marajoara
Os ceramistas Marajoara  desenvolveram
um dos  estilos  cerâmicos mais sofisticados
da Pré-História das Américas.
A maioria dos vasos e objetos datam de 600
a 1200 depois de Cristo.

À esquerda: Réplica de uma urna funerária
de aproximadamente 1400 anos de idade,
escavada de um cemitério do aterro
Guajará, Ilha de Marajó.
Atualmente, objetos cerâmicos inspirados no estilo Marajoara são produzidos por artesãos paraenses para
venda.  Os ceramistas são na maior parte dos casos descendentes de índios (caboclos) e mantêm uma
tradição de produção cerâmica que vem sendo passada de geração em geração.  

Em Icoaraci, Mestre Cardoso iniciou a produção de réplicas da cerâmica arqueológica e incentivou outros
artesãos a fazerem o mesmo. Através dos anos, esta prática tem ajudado a divulgar a cultura indígena e
estimular o turismo na região.

Nós, da
MARAJOARA PONTO COM, acreditamos que a venda de réplicas ajuda na preservação dos
sítios arqueológicos, ao disseminar informação sobre as culturas pré-históricas e proporcionar uma
alternativa ao comércio ilegal de cerâmica arqueológica.  Além disso, ajuda as comunidades de ceramistas a
sobreviver do artesanato, replicando uma atividade que foi tão importante em épocas pré-históricas.  
SAIBA MAIS SOBRE A CERÂMICA MARAJOARA

A cerâmica Marajoara é extremamente resistente e as técnicas decorativas utilizadas são
complexas. Conhece-se cerca de 15 diferentes técnicas de acabamento, que combinam de
maneira variada o engobo branco e vermelho, incisões, excisões e pintura. Além disso,
utilizava-se a modelagem de partes de animais ou mesmo faces humanas para compor apliques
e apêndices em pratos, tigelas, vasos e banquinhos. As formas de vasilhas e objetos
produzidos são muitas. Pode-se na verdade enumerar as mais comuns, mas existem muitas
variações e sempre nos surpreendemos com alguma nova forma ou objeto diferente que surge
de uma escavação ou coleção. Conhece-se: urnas funerárias, vasos, tigelas, garrafas, torradores,
inaladores, pratos, banquinhos, estatuetas, tangas, pingentes, adornos labiais, tortuais de fuso,
etc. Todos estes ocorrem em vários formatos e tamanhos.

Dentro do estilo Marajoara, existem sub-estilos que se distribuem por diferentes regiões na
Ilha.  Urnas pintadas que misturam características femininas e de corujas são encontradas na
área do rio Anajás, enquanto que urnas funerárias incisas decoradas com padrões de serpente
são características da região do Lago Arari. A distribuição de estilos estava relacionada a
diferentes grupos sociais.  Consequentemente, a arte pode ser usada para caracterizar,
diferenciar e entender-se relações entre grupos sociais que encontram-se geograficamente
separados, mas que tem parentesco em termos culturais.
Cerâmica típica da
região do Lago
Arari
Prato com desenhos vermelhos sobre
branco no interior. Cabeças de
tartaruga são comuns em bordas de
pratos, cujas formas muitas vezes
fazem uma alusão ao casco deste
animal.